VIGILÂNCIA: Fórum Rondoniense destaca os desafios para se manter o status de Livre de Aftosa sem Vacinação

Evento reuniu autoridades políticas, produtores rurais e representantes de diversas entidades do Estado e nacionais na RRS Internacional

Porto Velho, RO“Tão difícil quanto conquistar, é manter o status de livre de febre aftosa sem vacinação”. Essa foi a tônica das palestras e debates realizados nesta última quinta-feira (26), durante o 4° Fórum Rondoniense para Manutenção da Zona Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, no Centro Tecnológico Vandeci Rack, dentro da 9ª Rondônia Rural Show Internacional, em Ji-Paraná.

O evento, transmitido ao vivo pelo YouTube e Facebook da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril – Idaron, foi realizado pelo Governo de Rondônia em parceria com o Fundo Emergencial de Febre Aftosa – Fefa e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. O tema desta edição foi ‘Maior Envolvimento para Vencer os Novos Desafios’.

“O reconhecimento internacional da Organização Mundial de Saúde Animal – OIE, além de nos permitir avançar em busca de mercados mais rentáveis, apresenta um cenário de desafios que, dentre os principais atores, destacam-se o produtor rural, que deve estar ainda mais atento aos mínimos sinais de doenças nos rebanhos, e o Estado que, por meios de suas secretarias, viabiliza políticas públicas voltadas tanto ao incentivo do setor produtivo quanto à proteção da saúde dos animais de produção”, avalia o presidente da Agência Idaron, Júlio Cesar Rocha Peres.


Abordando uma questão intrinsecamente ligada ao tema, o Auditor Fiscal Federal do Mapa-SFA/RO, Juliano Moura Silva palestrou sobre as modalidades de habilitação e exigências de mercados para as plantas frigoríficas venderem carne e outros produtos aos grandes mercados internacionais. “Uma das principais exigências, Rondônia já tem: a certificação sanitária internacional”, destacou.

Na oportunidade, o palestrante listou os principais mercados internacionais para a carne bovina e apontou as condições impostas por cada nação, a maioria delas já transpostas pela pecuária rondoniense, para que as plantas frigoríficas obtenham o reconhecimento da autoridade sanitária do país importador e esteja apta à exportação.

CUIDADOS

Com assunto mais voltado às responsabilidades compartilhadas, um dos temas mais latentes da atualidade, o Auditor Fiscal Federal do Mapa, Gabriel Sanches Torres falou sobre os benefícios e desafios envolvidos na suspensão da vacina contra febre aftosa e que não podem ser esquecidos pelo setor produtivo e entidades ligadas à pecuária, destacando que, na fase atual, a participação do produtor deve ser muito maior na comunicação precoce da suspeita de animais enfermos em sua propriedade.

“A probabilidade de ocorrência de um evento adverso e a magnitude das suas consequências devem ser consideradas sempre. A manutenção do status sanitário, de área livre de aftosa sem vacinação, é o maior desafio enfrentado pela pecuária de Rondônia. São muitas as propriedades rurais com animais suscetíveis à febre aftosa e o produtor rural é fundamental na vigilância contra a doença”, acentuou.

PERGUNTAS

Após as palestras, o público que lotou as dependências do Auditório Oficial da 9ª RRS Internacional fez questionamentos aos palestrantes. Um dos questionamentos foi quanto à valorização da pecuária que, conforme afirmou o presidente da Idaron, resulta da soma de esforços entre setor produtivo e Governo do Estado. “A Idaron tem por missão precípua a fiscalização. Nosso objetivo é dar uma nova atenção à vigilância sanitária em Rondônia, com ênfase na atenção epidemiológica para manutenção da zona livre sem vacinação. Do mesmo modo, o produtor precisa estar atento e absorver para si o papel de fiscalizador do próprio rebanho. Isso já tem acontecido e deve apenas ser reforçado, para o bem de todos”, comenta.

Dinâmico, técnico e elucidativo, o Fórum cumpriu com o seu papel, apresentando-se como oportunidade de debate e respostas às dúvidas, envolvendo os setores produtivos, público e privado, bem como a sociedade em geral, em um amplo debate a respeito das ações estratégicas voltadas à Manutenção da Zona Livre de Febre Aftosa sem Vacinação.

PARCERIA

Representando o Governo do Estado no evento, o vice-governador José Jodan parabenizou o envolvimento dos diversos setores na realização do Fórum e conversou com produtores rurais e representantes do setor, destacando o esforço do Governo, que investiu mais de R$ 70 milhões no reaparelhamento da Idaron, para fortalecer as ações de defesa sanitária animal no Estado.

O evento também contou com a participação de representantes políticos federais, estaduais e municipais, além de empresários e autoridades ligadas a diversas secretarias como a Seagri e Emater, bem como representantes do Fefa, Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Rondônia – Faperon, Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Rondônia -Fetagro e Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal – Idaf que, dentre os representantes, esteve presente o presidente do Instituto, José Francisco Thum.

O empresário e pecuarista Adélio Barofaldi que representa os produtores rurais do setor pecuário de Rondônia também foi um dos debatedores durante a rodada de conversas com o homem do campo, dando importante contribuição para os debates. “O envolvimento do produtor na definição das estratégias de combate e prevenção das doenças que afetam os animais de produção é de extrema importância e faz ele entender melhor o papel de todos na manutenção do atual cenário vivido pela pecuária rondoniense”.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem