SAÚDE: Prática de caminhar tem impacto do solo que volta ao corpo, conforme o peso


Mesmo que a prática ofereça facilidades, há também implicações e cuidados que devem ser tomados

Porto Velho, ROQuando pensamos em iniciar uma atividade física, a caminhada normalmente nos parece a escolha mais segura e simples, ou a que contempla mais benefícios sem oferecer riscos ao corpo. No entanto, mesmo que a prática ofereça facilidades, há também implicações e cuidados que devem ser tomados.

De acordo com a educadora física e mestre em Engenharia Biomédica, Carla Arnoni, a caminhada também requer uma demanda ao corpo e, conforme a prática se estende, mais exige da capacidade física.

“Por isso é tão comum uma dor no joelho, quadril ou lombar aparecer de surpresa após essa prática. Quando caminhamos o solo devolve para o nosso corpo uma carga de 1,2 do nosso peso corporal”, alerta a especialista.

Carla esboça uma conta rápida no que se refere ao peso e impacto no solo:

Indivíduo com 50kg = 60kg de força de reação do solo;

Indivíduo com 80kg = 96kg de força de reação do solo;

Indivíduo com 100kg = 120kg de força de reação do solo.

“Essa é a carga que volta do solo para o nosso corpo (músculos e articulações) administrar. Se a pessoa não está forte e coordenada o suficiente para dar conta disso, a caminhada pode sim gerar sobrecarga e desconforto. E perceba que isso é mais impactante conforme o peso aumenta”, adverte ela.

Para completar, a educadora física propõe algumas dicas para quem deseja iniciar a caminhada de um modo mais eficaz e seguro: utilização de tênis apropriado e confortável; iniciar a caminhada com um volume mais baixo e com alternância de dias; aumentar a carga com o tempo; em paralelo, começar um fortalecimento muscular bem inicial para estruturar a musculatura.

“Os principais grupos musculares a serem trabalhados são os músculos das coxas, glúteos e core (abdômen profundo)”, finaliza ela.


Fonte: Diário da Amazônia

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem