AÇÕES PONTUAIS - Comitê discute elaboração de cartilha de fortalecimento das políticas públicas para juventude


Sejucel e Comitê de Juventude selaram nesta segunda-feira maior visibilidade a benefícios e direitos

Porto Velho, RO - Tudo que o jovem vislumbra, seus direitos e deveres, estará na cartilha elaborada pelo Comitê Estadual para a Política de Juventude no Estado de Rondônia (COEJUV). No dia 30 de março, a Superintendência Estadual da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel) pretende entregá-la, celebrando assim o Dia Mundial da Juventude. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira, 14, pelo coordenador estadual de juventude, Gabriel Barbosa, durante reunião com representantes de órgãos estaduais.

Da obtenção de um simples documento a diversas ações conjuntas de secretarias e superintendências serão levadas às zonas urbanas e rurais do Estado. O gestor da Sejucel, Jobson Bandeira, está satisfeito com a reativação do comitê. “A comissão coleta informações de tudo o que já ocorre em Rondônia e que possa também atender ao jovem; várias secretarias desenvolvem programas de interesse do comitê, entretanto, precisamos sair da forma isolada e oferecer um trabalho conjunto”, enfatizou.

Entre as competências do COEJUV estão: subsidiar a formulação, gestão e monitoramento da Política Estadual de Juventude, de acordo com deliberações das Conferências Estadual e Nacional; atualizar e regulamentar o Estatuto Estadual da Juventude; elaborar o Plano Estadual de Juventude; monitorar e propor encaminhamentos para as demandas recebidas dos movimentos juvenis pelo Governo de Rondônia e publicar relatório com balanço anual sobre programas, projetos e ações no âmbito do Governo voltados direta ou indiretamente para juventude.

Segundo o superintendente, a somatória de forças dessas unidades governamentais apontará ao jovem os caminhos. “Estamos elaborando um caderno, um portifólio que mostrará às prefeituras o que o Estado oferece à população e de que maneira o jovem também se incluirá para usufruir dos recursos disponíveis.

“O jovem tem pressa, tem expectativas, nós queremos sair do papel e consolidar com urgência o que debatemos aqui nesta reunião, desde as ações do Instituto Estadual de Desenvolvimento da Educação Profissional (Idep) à educação ambiental, esportes e lazer”, disse o coordenador Gabriel Barbosa.

Sávio Pessoa Frazão, membro do comitê, enfatizou a importância da reunião: “São órgãos, secretarias e superintendências unidas mostrando o que pode fazer pelo jovem exatamente naquilo que o comitê está buscando: o alinhamento de ações que cheguem ao máximo conhecimento dele, e a cartilha é uma delas”.

“O Idep já conseguiu alcançar todos os municípios rondonienses, seja presencialmente ou por meio remoto”, anunciou a diretora da Escola Técnica Estadual em Porto Velho (Etec), Sylvana Ventura.

Segundo a diretora da Etec, além dos percursos ao longo da BR-364, cursos técnicos foram levados em escolas móveis para atender a juventude fora do eixo rodoviário, notadamente às regiões do Abunã e Baixo Madeira.

Saúde, educação, indústria e outros órgãos unem esforços pela juventude

Conforme explica Sylvana, essas escolas têm o diferencial tecnológico em infraestrutura para cursos e laboratórios, e o indispensável espaço make, criado na pandemia para comercializar, a preços populares, diversos itens de marcas famosas para maquiagem.

“O jovem encontra hoje a maneira de se qualificar para buscar uma empresa, ou se requalificar para se manter no emprego”, assegurou a diretora.

Ela acredita que 2022 deverá superar o êxito de 2021, especialmente pelo papel do comitê: “A articulação de todos é muito importante para dar mais visibilidade às ações voltadas para a juventude”, ela comentou.

“Felizmente, o Idep é atualmente prioridade, o Governo do Estado lhe apoia com políticas públicas voltadas para cursos profissionalizantes; todos sabem que essa educação faz a diferença, porque somente 20% dos jovens conseguem ingressar na universidade”, lembrou.

Filipe Magdiel, representando a Fundação Cultural do Estado de Rondônia (Funcer), disse que o distanciamento social imposto pela pandemia afastou o jovem das ações governamentais. “Por essa razão, a cartilha é fruto da união dos jovens para conhecer todas as políticas públicas que possam facilitar o seu acesso a diversos recursos, principalmente os baixa renda”, explicou.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem