COVID-19: Rondônia registra 51 casos da variante Ômicron em nove municípios


Foram registrados 51 casos da variante Ômicron do coronavírus em 9 municípios rondonienses, pacientes têm idades entre 8 e 64 anos

Porto Velho, RO - A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) em parceria com o Laboratório Central de Saúde Pública de Rondônia (Lacen) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), registraram 51 casos da variante Ômicron do coronavírus em 9 municípios rondonienses. Os pacientes têm idades entre 8 e 64 anos e estão sendo monitorados pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e pelas vigilâncias municipais.

Os casos registrados nos municípios são: 1 mulher em Guajará; 30 pessoas em Porto Velho, sendo 21 mulheres, 8 homens e 1 menina; 1 homem em Candeias; 1 menino em Jaru; 1 mulher em Alta Floresta, 5 pessoas em Presidente Médici sendo, 4 mulheres e 1 homem; 7 pessoas em Cerejeiras sendo 3 mulheres e 4 homens; 1 homem em Seringueiras e 4 pessoas em Vilhena sendo, 1 mulher e 3 homens.

A variante já foi identificada em mais de 17 estados do Brasil. Os sintomas mais comuns são: secreção nasal, dor de cabeça, fadiga (leve ou grave), espirro e dor de garganta. O Governo está tomando medidas para amenizar o contágio, conscientizando e reforçando a população com as prevenções com mascaras, álcool em gel, as vacinações e evitando aglomerações.

Com o avanço do vírus, está ocorrendo o chamamento de profissionais da saúde para ampliação leitos de UTI nas unidades Públicas Estaduais, o Governo de Rondônia convoca os candidatos classificados em processo seletivo da Sesau. Os convocados devem atuar no enfrentamento da emergência da pandemia decorrente da covid-19 e Influenza.

O secretário de Estado da Saúde, Fernando Máximo ressalta a importância de completar o ciclo de imunização. “Vale a pena lembrar que o poder de transmissão e contágio da Ômicron é muito alto. É de extrema importância que nos vacinemos visando completarmos o ciclo vacinal com a 2ª e a 3ª dose, pois somente assim estaremos imunes e livres dessa doença que já fez muitas vítimas”, finaliza o secretário.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem