SAÚDE: Serviço de Assistência Especializada oferece atendimento humanizado a pacientes com HIV/Aids e hepatites virais

SAE é referência no atendimento, testagem e tratamento de IST"s

Porto Velho, RO - Fundado em 1997, o Serviço de Assistência Especializada (SAE) é referência no atendimento humanizado a pacientes com HIV/Aids e hepatites virais em Porto Velho. O local atua na prevenção, assistência e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), são 5.400 pacientes cadastrados, destes 2.960 convivem e tratam o HIV e 230 possuem diagnóstico de hepatites virais. O local também é ponto de controle e distribuição de medicamentos antirretrovirais para pacientes soropositivos e do programa de hepatites, além de realizar o monitoramento dos usuários do serviço e oferta de insumos de prevenção.

A equipe médica é composta por infectologistas, clínicos, ginecologistas, pediatra e a mais recente especialidade implantada de proctologista. Cada médico atende, em média, 40 pacientes por semana. Também integram o serviço, os profissionais da assistência social, psicologia, enfermagem, nutrição, odontologia e farmácia e ainda técnicos em saúde e administração.

Maiara Soares, infectologista no SAE Porto Velho

Na área de medicamentos, o SAE também é responsável pela distribuição controlada dos fármacos de Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (Prep) e Profilaxia Pós-Exposição de Risco (PEP). Prep refere-se ao método de prevenção à infecção que consiste na ingestão diária de um comprimido que permite ao organismo estar preparado para enfrentar um possível contato com o HIV.

Hoje, o entendimento da comunidade médica é de qualquer pessoa está sujeita a uma possível exposição, mesmo que as notificações ainda sejam relevantes em grupos como casais sorodiscordantes, homens que fazem sexo com outros (HSH); pessoas trans e trabalhadores(as) do sexo.

Já a Profilaxia Pós-Exposição de Risco (PEP) é uma medida de prevenção de urgência para ser utilizada em situação de risco à infecção pelo HIV, existindo também profilaxia específica para o vírus da hepatite B e para outras infecções sexualmente transmissíveis (IST). Este consiste no uso de medicamentos ou imunobiológicos para reduzir o risco de adquirir essas infecções. Deve ser utilizada após qualquer situação em que exista risco de contágio, tais como: violência sexual; relação sexual desprotegida (sem o uso de camisinha ou com seu rompimento) e acidente ocupacional (com instrumentos perfurocortantes ou contato direto com material biológico).

Antirretrovirais, medicamentos avançados no controle do HIV

“O medicamento para tratamento do HIV atualmente é distribuído pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Temos outras medicações que a gente dispensa para os usuários em tratamento, a exemplo de hipertensivos, antibióticos, algumas medicações complementares destinadas aos nossos usuários. Nós acolhemos os pacientes encaminhados e de livre demanda para quem se descobre com HIV. Para Prep o paciente passa por consulta e Pep é acolhido devido a urgência”, explicou a infectologista, Maiara Soares.

CASOS NOTIFICADOS

Em 2019, o SAE registrou 407 novos casos de HIV em Porto Velho, já em 2020 o número caiu para 327 novos casos. De janeiro a novembro deste ano já são 358 novos casos. Os casos fizeram com que a Prefeitura reforçasse a importância do uso de preservativos que podem ser retirados gratuitamente em qualquer unidade de saúde, assim como da realização de testes rápidos também ofertados na rede municipal de saúde.

O SAE fica localizado na rua Duque de Caxias, 1960, bairro São Cristóvão, e funciona de segunda à sexta-feira, das 07h às 18h. Já a farmácia para a retirada de medicamentos atende em horário reduzido, de 7h às 13h.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem