Bolsonaro, vete o Fundão da vergonha. O brasileiro agradece!

 "Absurdo", dizem 95% dos leitores sobre aumento do fundo eleitoral.

O Presidente sinalizou ontem em SP que poderá vetar o Fundão da Vergonha de 5,7 bilhões para financiamento de campanhas. O valor era de 2,2 bilhões e mais que triplicou com uma manobra adotada pelo relator do Fundão, o deputado Ramos de oposição ao governo. Após uma avalanche de críticas nas redes sociais desde a aprovação do Fundão por deputados e senadores, Bolsonaro deverá vetar, segundo assessores próximos. “Se o Presidente vetar e o Congresso derrubar, a responsabilidade será só deles”! 

O Presidente Jair Bolsonaro sinalizou ontem, em São Paulo, ao deixar o hospital após tratamento de uma obstrução intestinal, que poderá vetar o Fundo Eleitoral que foi aprovado por deputados e senadores na Lei de Diretrizes Orçamentárias.


Segundo alguns juristas, o Fundo Eleitoral deveria ser analisado (votado) separadamente pelos membros do Congresso Nacional. Em 2019, quando foi votado o Fundão Eleitoral e derrubado pelo Congresso Nacional, foi analisado separadamente da LDO.

Dessa vez não ocorreu isso, uma espécie de jaboti foi introduzido para que se aprovasse o Fundão durante a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Dessa vez não ocorreu isso, uma espécie de jaboti foi introduzido para que se aprovasse o Fundão durante a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

"Eu sigo a minha consciência, sigo a economia e a gente vai buscar um bom sinal para isso tudo aí. Afinal de contas, eu já antecipo, R$ 6 bi pra fundo eleitoral, para financiamento de campanhas, pelo amor de Deus", afirmou.

De acordo com o presidente, Ramos, que presidia a sessão, "passou por cima" e não pôs em votação um destaque à redação da LDO que alteraria o texto para suprimir a previsão de reajuste do fundo eleitoral.

Cada estado e município deve conhecer seu candidato pelo trabalho e pelas leis que ele vota no congresso, na assembleia e na Câmara, não precisa de verba para propaganda. As redes sociais vão divulgar o caráter de cada um deles e assim o eleitor pode votar. A verba que eles querem precisa ser destinada a benfeitorias e estruturas para o país. Se querem dinheiro, vão trabalhar.

O valor para financiamento público de campanha passará a ser de R$ 5,73 bilhões. Em 2020, foram R$ 2 bilhões, quando foram eleitos prefeitos e vereadores.

Esse "fundão" é uma extremamente vergonha nacional. Com esse dinheiro daria para dar um grande avanço na vacinação do Brasil, estradas, pontes, hospitais etc.

@JORNALISTAVICTORIABACON 

Da redação

 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem